O ARTISTA

Natural da cidade de Sorocaba, Paul Parra é Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade de Sorocaba, cuja pesquisa desenvolvida entre os anos de 2016 e 2018 teve como temática a dissidência sexual e de gênero no Brasil. Na dissertação, aprofundou as questões sobre arte-vida TRANSsviada, que se caracteriza pelos discursos e visibilidades das opressões socioculturais e resistências LGBTQIA+.

Autodidata em artes visuais, iniciou sua produção 2015, majoritariamente na cidade de Jundiaí, sua antiga cidade de residência. Em 2016, inicia uma profunda investigação sobre gênero e sexualidade em si, processo no qual a arte passou a desdobrar suas percepções e

afetos enquanto uma pessoa transgênero e pansexual. Em suas obras, retratava as emoções e conflitos de um corpo em transição de gênero, por meio das imagens abstratas. Como resultado dessa experimentação poética, desenvolveu em 2017 e 2018 a série Transvyadagem: entre percepções e afetos, uma coletânea de obras que abordam as questões subjetivas da transição de gênero, bem como os envolvimentos do corpo dissidente em relações afetivas/sexuais.

A partir dessa primeira criação, recebeu a proposta de apresentar algumas delas em novembro de 2017, no I Sarau Desviadas, em Campinas, SP. As obras também foram exibidas no IX Congresso Internacional da ABEH, na Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza, CE, como parte complementar da pesquisa de mestrado. Atualmente, reside na cidade de Campinas, onde produziu a maior parte de suas obras de 2018 e a totalidade de suas obras de 2019 2020. Foi contemplado pelo edital PROAC de incentivo ao desenvolvimento da cultura popular, tradicional, urbana, negra, indígena e plural, no ano de 2019, com o projeto TRANSpassadxs.

Como produtor cultural, integra a Bons Ventos Produtora, coletivo majoritariamente LGBTQIA+ sediado na cidade de Campinas, o qual desenvolve projetos voltados para as pessoas LGBTQIA+ desde 2017, como o Sarau DesViadas, Semana de visibilidade Trans, aulas do projeto “Pontos de Costura e Resistência”, projeto TRANSpassadxs e o projeto “Corre da Paz”.